domingo, 6 de abril de 2008

XLIV SABERÁS QUE NÃO TE AMO E QUE TE AMO


Saberás que não te amo e que te amo

posto que de dois modos é a vida,

a palavra é uma asa do silêncio,

o fogo tem uma metade de frio.


Eu te amo para começar a amar-te,

para recomeçar o infinito

e para não deixar de amar-te nunca:

por isso não te amo todavia.


Te amo e não te amo como se tivesse

em minhas mãos as chaves da fortuna

e um incerto destino desditoso.


Meu amor tem duas vidas para amar-te.

Por isso te amo quando não te amo

e por isso te amo quando te amo.
PABLO NERUDA. Cem Sonetos de Amor.

3 comentários:

Ruash disse...

Que lindooooooooo pai!!!!!!


Quero um marido q nem o sr.!!!!


Mto fofo!


Te amo!

Edi disse...

Que lindo!!!!!!!!

Também quero um marido q nem o sr.!!!! hehehehehehe

Isso faz a gente ter esperança de que ainda existe romantismo no mundo...

Jhoy disse...

Sou amiga da Carol, ela que me passou o link do teu blog, mas só agora consegui tempo pra ler com atenção. (E que está valendo a pena.)
Poema lindo!